Diários do Tempo – Página #93 Viúva e Talha-Pedra

Diários do Tempo
Diários do Tempo – Página #02 Uma Antiga Poesia
4 de dezembro de 2017
Diários do Tempo
Diários do Tempo – Página #85 Chrono no Templo dos Leões
26 de Janeiro de 2018
Diários do Tempo

Ville de volta!

O mês de Dezembro e o começo de Janeiro foram mais turbulentos do que eu esperava, problemas pessoais, saúde de familiares, entre outras coisas me fizeram afastar um pouco de Artibia, mas cá estou novamente!

É a primeira vez que está aqui? Não se preocupe, as outras páginas dessa coluna podem ser encontradas AQUI.

Nessa volta trago a continuação da história que postei da última vez, em resumo, era uma poesia sobre uma criatura terrível que ronda as terras tibianas, e no post de hoje finalizo essa história vivida. Espero que apreciem!

 
Aranhas Gigantes na Floresta

Enfrente as Trevas e adentre a Floresta


 

O conto que irei contar a vocês hoje aconteceu recentemente, e foi com um êxtase profundo que escrevi essa página do meu diário, não foi uma simples missão ou aventura, pode ser considerado quase um acerto de contas com o passado.


Chrono Azkan Silt

 
 

Descobri, há certo tempo atrás, com um antigo amigo dele, o porquê de meu pai, Crono, ter tanto pavor de Giant SpidersAranhas Gigantes . Ele sempre foi muito relutante em me contar que motivos o fizeram temer tanto aquelas criaturas, mas, embora nunca tenha contado os motivos, desde pequeno ele me criou para que temêssemos e tivéssemos o maior cuidado possível caso enfrentássemos elas em combate.

Meu pai ainda se aventurava na época que tudo ocorreu, ele seguia em direção à Catedral abandonada ao sul do Deserto de Jakundaf, tendo recebido uma missão de eliminar alguns bandidos, cultistas e outras pessoas malignas que estavam saqueando caravanas que passavam em direção à Ponte dos Anões. Armado de seu Dwarven AxeMachado Enânico , meu pai seguiu sem pestanejar rumo a Catedral, a travessia no deserto transcorreu sem maiores problemas, com ocasionais leões e alguns escorpiões em seu encalce, nada que até então oferecesse real perigo.

Decidido a não tomar uma rota mais segura, que seria a de entrar no Acampamento Fora-da-Lei e ir contornando a costa até chegar próximo a Catedral, ao invés disso, Crono seguiu pela desolada, descampada e incrivelmente propícia para emboscadas, Planícies da Destruição .

Inicialmente, o caminho aparentou suspeita calmaria e silêncio, encontrando apenas alguns MinotaurMinotauros , CyclopsCiclopes e outras criaturas que ofereceram razoável trabalho para serem derrotadas. Quando já conseguia avistar as ruínas da Catedral ao longe, foi emboscado por 4 TarantulaTarântulas que se estavam de tocaia entre os arbustos esperando para inocular seu veneno em uma vítima incauta que passasse. A luta foi árdua, mas Crono saiu vitorioso com pequenas baixas, no entanto, ao dar poucos passos adiante, só teve tempo de armar-se de machado e escudo e correr para uma construção segura, pois duas Aranhas Gigantes surgiram deslocando-se numa velocidade incrível e partindo para cima de meu pai.

 
 

Infelizmente, apesar de ter lutado bravamente para sobreviver, meu pai morreu naquele dia, e ele, antes de dar o último suspiro, viu ao longe outra Aranha, maior que as normais, devorando algum viajante descuidado, seus quatro olhos os quais destilavam peçonha e rancor cruzaram com o olhar de Crono, e aquela visão o aterrorizaria para sempre. Além disso, seu precioso Machado, presente recebido pelos Anões, foi perdido no ataque.

Crono sabia, havia sido uma invasão da Velha Viúva nas planícies, e desde então sempre me recomendou a não enfrenta-las, pois nas palavras dele “eram criaturas desprovidas de qualquer senso que não o de matar e se alimentar, e a visão de sua líder suga toda a Luz da nossa alma”.

Meu pai nunca se recuperou daquele incidente com as Aranhas, e eu, em meu íntimo jurei me vingar da Velha Viúva quando julgasse ter forças para enfrenta-la.

 
 

O tempo passou, meu pai já aposentado há muitos anos agora vive tranquilamente na companhia dos seus amigos Anões em Kazordoon, e eu, treinei arduamente durante todo esse tempo, nunca me esquecendo da história com as Aranhas Gigantes e a Viúva.

Chrono Azkan Silt

 
 

Visitei Kazordoon um dia desses e o conselheiro do imperador, e amigo de meu pai, havia me pedido ajuda para reaver o antigo machado que Crono havia perdido naquela invasão, aparentemente o machado se encontrava com mercadores na cidade de Yalahar, como eles foram capazes de obter aquele Machado é desconhecido, mas segui para essa cidade exótica e diferente de todas as outras que eu conhecia. Ao chegar lá, obtive algumas informações com os moradores e me indicaram ir ao Bairro das Trocas , mas prontamente me avisaram para tomar cuidado.

Após muita investigação, barganhas, e tratos, consegui recuperar o velho machado do meu pai, já estava bem gasto e sem condições de uso, retornei à cidade dos anões e achei melhor não entregar diretamente a meu pai, sendo assim, entreguei-o ao conselheiro, e para minha grata surpresa, ele me presenteou com o machado Stonecutter AxeTalha-Pedra dizendo:

- “Esse poderoso Machado podia estar hoje nas mãos de seu pai, mas infelizmente o Destino não sorriu para ele. No entanto, acredito que você, Aprendiz dos Anões, seja capaz de empunhá-lo um dia, e quando fizer isso, vá lá e derrote A Velha Viúva, seu pai ficará orgulhoso de você”.

Agradeci o presente e saí de lá emocionado, não é toda hora que recebemos um presente tão valioso e carregado de sentimentos como esse. Chegando à cidade que estava morando por um tempo, guardei com todo carinho aquele machado para que um dia eu pudesse usá-lo em combate.

 
 

De lá para cá, muitos anos já se passaram, e acredito que estou pronto para acertar contas com o passado...

Chrono Azkan Silt

 
 

A Sociedade Pata & Pele estava precisando de aventureiros para que matasse algumas Aranhas Gigantes, então pedi ao seu Grizzly Adamslíder que me permitisse caçá-las, para que eu pudesse enfim testar minhas habilidades de combate, força de vontade e resiliência contra elas. Ele me pediu que 500 delas fossem mortas.

E assim foi feito.

Matei conforme o combinado, e, confesso, foi desafiador, passando por vários momentos tensos enquanto lutava contra elas, no entanto, qual foi minha surpresa quando fui reportar o sucesso da missão ao Adams em Port Hope, ele pareceu ver dentro de minh’alma e perguntou se eu não estava disposto a enfrentar A Velha Viúva!

Obviamente respondi que sim e parti em direção a seu covil nas planícies, mas não sem antes eu me equipar com o Machado Talha-Pedra, eu sentia que aquela era o momento exato de utilizá-lo, eu de fato, estava preparado para aquele momento.

O caminho até o covil de minha Arquinimiga foi tranquilo, poucas criaturas conseguiam me importunar com seus ataques, alguns poucos eu tive de derrubar com o machado, mas em minha mente só pairava uma coisa, enfrentar aquela Aranha que fez com que meu pai perdesse muito de seus sonhos quando ainda era um aventureiro.

Ao adentrar em seu covil, logo me deparo com uma Aranha Gigante protegendo a sala da Velha Viúva, ela tentou me impedir, mas foi em vão, minha determinação em me vingar era tão grande que essa sentinela pouco fez contra mim, e então entrei na câmara onde Ela se repousava...

 
 
Covil da Old Widow

Estava úmido, cheio de teias e o ar carregado e pesado...

 
 

A luta foi árdua, a adrenalina não me fazia pensar em nada que não fosse golpeá-la com meu Machado, quase vi a morte por várias vezes enquanto me digladiava com ela, em um dos momentos consegui ferir gravemente uma de suas patas, debilitando um pouco sua possível locomoção, e seus ataques venenosos me faziam contorcer de dor à medida que a toxina adentrava mais em meu corpo, mas eu simplesmente não queria desistir, não queria parar, e utilizando todas as técnicas e valendo de todos os anos treinando isolado de tudo e todos, venci.

Voltei em êxtase para a cidade, mas precisava recobrar-me dos ferimentos sofridos e em seguida reportar o sucesso para aquele velho grisalho de Port Hope, no entanto tudo o que quero agora é descansar um pouco e esperar que meu pai fique sabendo da notícia, para que eu possa imaginar sua feição aliviada, feliz e orgulhosa de mim.

 
 
 

E assim, chega ao fim um arco da história do Chrono, no entanto, todo fim é apenas a porta para um recomeço!

Qualquer dúvida, sugestão, comentários, entrem em contato conosco, seja no Fórum (link abaixo) ou na nossa Página no Facebook

Fica aqui meu obrigado a todas pessoas que me incentivam continuar a postar meus Diários, eu não seria nada sem o apoio e ajuda de vocês!

Abraços do Ville!

ARTIBIA

Diários do Tempo

Ville
Ville
Um escritor, Poeta, Engenheiro, gamer, nerd, geek, entre outros rótulos. Ou não. Apenas um observador, no fim das contas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *